Arquivo da categoria: inicio

Pintura em azulejo

O termo azulejo designa uma peça de cerâmica de pouca espessura, geralmente, quadrada em que uma das faces é vidrada, resultado da cozedura de um revestimento geralmente denominado como esmalte, que se torna impermeável e brilhante. Esta face pode ser monocromática ou policromática, lisa ou em relevo. O azulejo é geralmente usado em grande número como elemento associado à arquitetura em revestimento de superfícies interiores ou exteriores ou como elemento decorativo isolado.

Com diferentes características entre si, este material tornou-se um elemento de construção divulgado em diferentes  países.

Nessa forma de expressão este é um belo trabalho de criação executado pela aluna Daniela em nosso atelie.

Painel de azulejos

Pintura em azulejo, 45x45cm em preto e branco

Uma pintura liberta de contornos, com especial espontaneidade e originalidade, esta composição ajusta a mais tradicional azulejaria à expressão contemporânea de pintura em azulejos!!!!!!

Este trabalho com um ajuste das linhas e formas aplicadas ao espaço oferecido de um painel se torna mais especial por se tratar de uma criação de Daniela Melo aluna do atelie em seu primeiro contato com pintura em azulejo.

http://www.azulejosmeloprates.com.br/

Porcelana Capo di Monte

Porcelana Capo-di-monte – Mitos e fatos

A porcelana Capo-di-Monte foi criada no inicio do século XVIII. No reino de Napoles. Por Charles de Bourbon, filho de Felipe V da Espanha e de Elizabeth Farnese, italiana. Charles foi coroado Rei da Sicilia em agosto de 1734, na cidade de Palermo. Vindo a tornar-se Charles VII. Casou-se com a sobrinha de Augustus II, eleitor da Saxonia e Rei da Polonia. Fundador da primeira fabrica de pasta dura da europa, a famosa Meissen. Com este pedigree o Rei de Napoles passou a desenvolver o gosto pela porcelana e a produzi-la no seu reino. Utilizando-se dos métodos do grande alquimista e criador da Meissen, Bottiger, chamou dois alquimistas italianos para supervisionarem os trabalhos no seu palacio: Livio Ottavio Schepers e Giovanni Caselli. Eis o inicio desta incrivel porcelana. Tão difundida e tão pouco produzida. A “verdadeira” porcelana de Capo-di-Monte, aquela que leva a flor de liz e que esta caracterizada pelo período de 1743 até 1759 é rara e improvavel de ser encontrada em feiras e antiquarios. O que se vê, em sua maioria, são cópias antigas e que nada tem de Capo-di-Monte. Por isso, muito cuidado com as ofertas de Capo-di-Monte. O que comumente vemos é a marca “N” sob a coroa. Esta quer dizer “Naples” e não possui o glamour e qualidade da primeira marca da Capo-di-Monte. O “N” sob a coroa não significa qualidade e peça exclusiva como muitos apregoam. Na verdade querem dizer “Estilo Capo-di-Monte”. São peças produzidas no estilo da Capo-di-Monte antiga. Imitando, muitas vezes, as figuras daquele periodo. A diferença também esta na qualidade das cores e do ouro. No inicio da Capo-di-Monte se produziam vasos, jogos de chá e café, bowls, potes de chá e jarros. Tudo isso com uma esmerado trabalho artistico e materiais de primeira. Ao contrario das figuras grotescas e sem vida que vemos por ai dando sopa em vitrines e mesas. Sempre a espera do incauto que as levara para casa depois de assinar o cheque. As marcas acima servem de referência para pesquisa e podem dizer muito da peça. Mas é preciso ter em mente duas coisas:

1º – Capo-di-Monte é extremamente RARO – Inclusive em leilões da Christie’s e Sotheby’s

2º – NAPLES (coroa sobre a letra N) Significa estilo Capo-di-Monte e não uma peça CAPO-DI-MONTE

3º – Procure pesquisar detalhes da peça – exemplo: feições e acabamento das figuras.

4º – Algumas marcas francesas, alemãs e italianas costumam usar a letra “N” sob a coroa.

5º – A marca Buen retiro da Espanha utiliza a mesma marca nas peças produzidas hoje.

Espero ajudar aos apreciadores e colecionadores! E que nunca deixem de pesquisar, ler e apreciar a beleza das antiguidades. A observação é que nos ensina e nos torna apto a colecionar. Uma das maiores coleções de peças Capo-di-Monte encontra-se em Roma. No museu Capitolini. Vale a pena visitar!